Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007

Real politic




Uma fórmula clássica para problemas clássicos.
tags:
publicado por Luis Euripo às 09:14
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

Pela boca morre o peixe-2




Por ocasião do Benfica-Sporting de Abril deste ano, Paulo Bento, referindo-se à arbitragem de Pedro Henriques, que terá cometido alguns erros graves em benefício do Sporting, afirmava com todo o fair-play: "Num jogo destes é normal surgirem alguns erros".
publicado por Luis Euripo às 18:03
link do post | comentar | favorito

Profecias




Em política há sempre profecias que se concretizam. Simplesmente porque a cada profecia corresponderá inevitavelmente uma que será o seu oposto. Assim, temos os que asseguram um futuro grandioso para o PSD de Menezes e os que garantem a desgraça total. Alguém acertará.
publicado por Luis Euripo às 11:12
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

Caso Esmeralda

O Tribunal da Relação de Coimbra determinou que o exercício do poder paternal fosse entregue ao pai biológico. No meio dos destroços provocados por esta sociedade refém dos media, aquela decisão é uma lufada de ar fresco, ao arrepio de campanhas, petições, opinião pública manipulada e dos sacerdotes da pedopsiquiatria. Esta sociedade não pára para pensar e fica impune tanta inconsciência.
publicado por Luis Euripo às 11:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Silêncio

O silêncio traz-nos de volta alguma razão.
publicado por Luis Euripo às 11:38
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007

A competência exige-se aos outros



Há tempos, neste post, interroguei-me sobre as contas da empresa Público - Comunicação Social S.A ., proprietária do jornal Público. Na verdade, após pesquisa na net, nada encontrei. Ignoro tão pouco se o jornal cumpre a Lei de Imprensa e publica anualmente as contas da empresa. Descubro agora, por via da publicação de uma decisão do Tribunal de Pequena Instância Criminal de Lisboa que condenou aquela empresa no âmbito de um recurso de um processo de contra-ordenação instaurado pela comissão da Carteira Profissional de Jornalista, que, no ano de 2005, a mesma obteve um resultado líquido do exercício negativo de 8.235.221,98 euros. Qualquer coisa não bate certo com a exigência de excelência e competência tão do agrado do liberal José Manuel Fernandes.
publicado por Luis Euripo às 15:52
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Agosto de 2007

Um ministro dá outro brilho

Creio que se falou mais da ausência de um membro do governo nas comemorações do centenário do nascimento de Miguel Torga do que da sua obra propriamente dita. Parece coisa provinciana .
publicado por Luis Euripo às 20:43
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 10 de Agosto de 2007

Fadio vadio. Nota-se que é no Porto?

 
publicado por Luis Euripo às 22:11
link do post | comentar | favorito

Um negócio mal parado




Os pais de Madeleine procuraram utilizar os media em favor da campanha que desencadearam para descobrir o paradeiro da filha. Em simultâneo, os media usaram os pais de Madeleine para se excitarem e preencherem tempos noticiosos e páginas de jornais. Aparenta ser um negócio justo. No entanto perigoso, como devem começar agora a perceber. E tanto mais perigoso quando, pelo meio, envolve certas promiscuidades com a PJ e fontes que permanecem no segredo dos deuses. Compete-nos o cuidado de olhar distanciadamente para todos estes actos de informação e contra-informação.
publicado por Luis Euripo às 12:34
link do post | comentar | favorito

Verão



O verão tem destas coisas. Produz uma química que traz à superfície o que sobreviveu aos dias soturnos e cinzentos. Ao circunspecto Vital Moreira deu para publicar no causa nossa uma série de fotos a que chamou "imagens estivais". O conhecido constitucionalista e comentador não é o melhor fotógrafo do mundo. Mas esta foto intriga-me particularmente.
publicado por Luis Euripo às 12:01
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Agosto de 2007

A notícia



Em certos jornalistas existe a tentação incontrolável para transformar em notícia o que imaginam passar-se na cabeça dos protagonistas. Sintoma evidente da preguiça, falta de tempo, má-fé ou seja lá o que for que mina a credibilidade da "informação" que se vai produzindo e sobre a qual as corporações representativas do sector não manifestam publicamente a mínima preocupação. Lembro-me de há anos atrás, era o Toni treinador do Benfica que conquistou sofridamente o campeonato nacional, um jornalista de A Bola ter escrito um artigo em que descrevia minuciosamente os mais íntimos pensamentos do pobre do Toni sobre a situação que se vivia no clube. Ocorreu-me esta história a propósito de um post de José António Barreiros no A Revolta das Palavras, que constitui um testemunho precioso dessa técnica jornalística .
publicado por Luis Euripo às 16:52
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Agosto de 2007

O veto

Acabo de ler o artigo de Vital Moreira no Público de hoje, de leitura aconselhável para melhor entendimento da matéria do post anterior. Provavelmente a disponibilizar brevemente na aba da causa.
publicado por Luis Euripo às 19:48
link do post | comentar | favorito

Vamos lá punir como deve ser

"É possível, por conseguinte, que um jornalista pratique um ilícito extremamente grave, com um muito elevado grau de culpa, e a esta conduta só possa aplicar-se a pena mais leve – a advertência registada – enquanto outro jornalista, tendo praticado uma infracção menos grave e com um grau de culpa substancialmente inferior, pode ser suspenso do exercício da actividade profissional. Ou seja, para efeitos de aplicação concreta das penas atribui-se um peso que não pode deixar de considerar-se excessivo à circunstância de o agente ter sido, nos três anos precedentes, objecto de outras sanções disciplinares. Tal representa uma clara limitação da competência, atribuída à Comissão da Carteira Profissional de Jornalista, para decidir livremente e aplicar as sanções que tiver por adequadas em função das circunstâncias concretas dos casos submetidos à sua apreciação, ou seja, em função da gravidade da conduta e do grau de culpa do agente."

Este excerto, perfeitamente exemplar, da "Mensagem do Presidente da República à Assembleia da República, a propósito do diploma que altera o Estatuto dos Jornalistas", diz quase tudo. A fundamentação de Cavaco é técnica e não política. Não está em causa a possibilidade de punir jornalistas e a alegada ofensiva contra a liberdade e o Estado de direito mas sim punir com mais eficácia e justiça. A razão deste trabalho extra da presidência da república de consultoria gratuita ao governo é explicado pelo próprio Presidente: "o diploma ora sujeito a promulgação concitou em seu torno uma vasta controvérsia, seja entre os partidos com expressão parlamentar, seja entre a classe dos jornalistas e suas organizações representativas, seja, enfim, entre empresários da comunicação social, quando seria aconselhável que sobre o mesmo fosse alcançado um entendimento mínimo, atenta a sensibilidade da matéria em causa". Ou seja, houve demasiado ruído produzido por corporações de peso na sociedade portuguesa, o que só por si justifica a maçada de fazer com este diploma o que não fez com tantos outros que já promulgou, igualmente prenhes de incongruências técnicas.

Este Cavaco que apelou, do alto da sua maioria absoluta, "deixem-nos trabalhar!", não deixa de ser surpreendente. Mas é exactamente a mesma pessoa, com mais alguns anos de idade, que denunciava as "forças de bloqueio" que impediam o normal desenvolvimento da acção governativa. O patético da história, vertente sempre do meu agrado, são os cânticos de vitória com que nos embalam os opositores da lei. Será que leram a lei e a mensagem do Presidente da República? Ou serão apenas tontos?
publicado por Luis Euripo às 16:39
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Agosto de 2007

Dá aí um jeitinho



Em termos de importância, o facto relevante com que me deparo no meu regresso, a seguir às novas contratações do Benfica, é a crise no PSD. Chamemos-lhe crise numa perspectiva bonacheirona de que antes tudo corria bem no partido. Eis Marques Mendes procurando chegar-se à frente, ao melhor estilo do emplastro.
publicado por Luis Euripo às 12:14
link do post | comentar | favorito

A culpa deve ser minha

Ao que percebi, aqueles que criticaram o governo pela instauração do processo disciplinar a Fernando Charrua criticam agora o governo pelo arquivamento do processo. Devo ter perdido algo pelo meio mas tem sempre graça apanhar bocadinhos avulsos das histórias.
publicado por Luis Euripo às 12:07
link do post | comentar | favorito

.correio para

luiseuripo@sapo.pt

.pesquisar

 

.posts recentes

. Real politic

. Pela boca morre o peixe-2

. Profecias

. Caso Esmeralda

. Silêncio

. A competência exige-se ao...

. Um ministro dá outro bril...

. Fadio vadio. Nota-se que ...

. Um negócio mal parado

. Verão

. A notícia

. O veto

. Vamos lá punir como deve ...

. Dá aí um jeitinho

. A culpa deve ser minha

. Não havia necessidade

. Regresso

. Férias!

. "Ser jornalista é chegar ...

. Joaquim Agostinho

.arquivos

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds