Domingo, 17 de Junho de 2007

Ah, pois é


Um dos "privilégios" dos funcionários públicos é encontrarem-se genericamente obrigados ao cumprimento dos seus deveres funcionais mesmo fora das horas de serviço. E quando tomam posse como servidores do Estado prestam um juramento solene em que se comprometem a prestar com lealdade as funções que lhes são confiadas. Esta condição não é negociável, como quando se assina um simples contrato privado. Se um funcionário público insultar um colega, um utente ou o seu chefe à hora de almoço, ou ainda se assaltar um banco fora das horas de expediente, está sujeito ao respectivo estatuto disciplinar e suas sanções. Com o Estado não se brinca.
publicado por Luis Euripo às 17:24
link do post | comentar | favorito

.correio para

luiseuripo@sapo.pt

.pesquisar

 

.posts recentes

. Real politic

. Pela boca morre o peixe-2

. Profecias

. Caso Esmeralda

. Silêncio

. A competência exige-se ao...

. Um ministro dá outro bril...

. Fadio vadio. Nota-se que ...

. Um negócio mal parado

. Verão

. A notícia

. O veto

. Vamos lá punir como deve ...

. Dá aí um jeitinho

. A culpa deve ser minha

. Não havia necessidade

. Regresso

. Férias!

. "Ser jornalista é chegar ...

. Joaquim Agostinho

.arquivos

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds