Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

Pela boca morre o peixe-2




Por ocasião do Benfica-Sporting de Abril deste ano, Paulo Bento, referindo-se à arbitragem de Pedro Henriques, que terá cometido alguns erros graves em benefício do Sporting, afirmava com todo o fair-play: "Num jogo destes é normal surgirem alguns erros".
publicado por Luis Euripo às 18:03
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Julho de 2007

Joaquim Agostinho


Agora que vai começar mais uma Volta à França, deixo aqui a minha homenagem ao grande herói desportivo da minha infância e adolescência. Numa época em que havia poucos motivos para nos orgulharmos de ser portugueses, as épicas etapas da Volta à França traziam-nos sempre a esperança da afirmação de um homem simples, valente e leal como poucos, português como nós, um David entre dezenas de Golias que corriam por aquelas estradas até ao cume mais alto dos Alpes ou dos Pirenéus. A televisão a preto e branco não nos oferecia as completas transmissões a que podemos hoje assistir. Deleitava-me sobretudo com as reportagens de Carlos Miranda no jornal A Bola, cheias de humanidade e episódios picarescos. Nunca mais esquecerei aquela entrada de Agostinho num velódromo em França, no términos de um contra-relógio, qual bólide que empurrava todas as nossas emoções, sendo apenas batido nesse dia pelo grande Eddy Merckx, o maior de todos. Ou a sua histórica vitória no mítico Alpe d'Huez, em 1979, noticiada com entusiasmo pela rádio.

 

 

Joaquim Agostinho era do Sporting mas, nesse tempo, isso nada importava aos olhos de todos os portugueses. Mesmo na Volta a Portugal, em que torcia pelo benfiquista Fernando Mendes, um grande e azarado corredor, conformava-me, feliz, com a vitória do homem das Brejenjas, aldeia do concelho de Torres Vedras. Joaquim Agostinho sofreu o acidente fatal em plena competição, quando disputava a Volta ao Algarve, em 1984, com 41 anos de idade, vestindo a camisola amarela. Um final digno para um filme de heróis.

publicado por Luis Euripo às 23:03
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 30 de Abril de 2007

Pela boca morre o peixe




Paulo Bento, respondendo a "A Bola", no final do Benfica-Sporting :

Como analisa o trabalho de Pedro Henriques?

— Não me parece que no lance de Miccoli ele fosse isolar-se. Além disso nem foi falta. No lance de um eventual segundo amarelo do Caneira também não houve falta. Nenhuma das equipas tem razão de queixa da arbitragem. E num jogo destes é normal surgirem alguns erros.


Então se o pobre do Caneira foi injustiçado, uma vez que, na perspectiva do Bento, não cometeu qualquer falta nos lances em questão, não tem razões de queixa da arbitragem? Sim senhor! Grande magnanimidade! Desde que o Paciência ficou com os olhos presos ao chão que não via tamanha pérola.


Ah, e quanto ao Caneira? Esse também acha que não cometeu falta mas ia depois ver na televisão...

publicado por Luis Euripo às 18:01
link | comentar | favorito

.correio para

luiseuripo@sapo.pt

.pesquisar

 

.posts recentes

. Pela boca morre o peixe-2

. Joaquim Agostinho

. Pela boca morre o peixe

.arquivos

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds